A alta do dólar e o impacto positivo na importação direta

A alta do dólar e o impacto positivo na importação IBSolutions

É em tempo de crises que as pessoas se movem. As empresas também funcionam nessa mesma dinâmica. O dólar em alta não chega a ser uma crise por si só, mas pode gerar muitas dores de cabeça para as empresas que dependem diretamente ou indiretamente de matérias-primas, produtos intermediários e produtos acabados que são importados.

 

Dólar alto, demanda por importação alta

Como empresa de consultoria e gestão de importação, nunca recebemos tantas demandas de importação direta quando comparado ao momento em que o dólar estava acima de 4 reais.

Isso se justifica pelo fato de grande parte das matérias-primas, componentes e partes que são integradas ao produto serem importadas. Sendo assim, é muito difícil que importadores não repassem os custos aos seus clientes, em função do aumento das cotações de moeda estrangeira.

 

Empresas nacionais e o Dólar

“A alta do dólar e o impacto positivo na importação direta”. Isso deve ter soado um pouco estranho para você.

Pode ser que no curto prazo o mercado não sinta com grande intensidade a variação da moeda, pois podem haver estoques reguladores, isto é, mercadorias que foram adquiridas em um momento posterior a variação do câmbio, e que já tiveram boa parte de seu custo definido em cotações mais baixas das moedas em questão.

Ao mesmo tempo que o dólar alto desestimula a importação, é muito difícil que empresas que ainda não exportam passem a vender ao exterior apenas levando em conta esse fator. Como no Brasil há menos de 25 mil empresas exportadoras, de forma direta, é de se imaginar que a grande maioria dos importadores, que giram em torno de 45 mil empresas, não conseguirão se beneficiar da variação da moeda com a venda para o exterior.

Assim, nasce a necessidade, para essas empresas, de buscar reduzir custos, renegociar valores com seus fornecedores e até mesmo enxugar o quadro de funcionários ligados às operações de comércio exterior.

A alta do dólar e o impacto positivo na importação direta

Nossa experiência nos indica que, em tempos de aumento de cotação de moeda estrangeiras, apresentam-se as seguintes oportunidades:

  1. Renegociação de valores com os fornecedores atuais, reforçando a parceria e indicando ao parceiro estrangeiro que existem oportunidades de mercado que poderão ser exploradas, desde que ambas as partes cedam na negociação;
  2. Conquista de market share de empresas concorrentes e que são importadoras, mas que devido a uma organização financeira menos adequada, deixaram de importar diretamente;
  3. Desenvolvimento de parcerias com novos fornecedores que identificam oportunidades comerciais com o Brasil, mesmo em momentos de crise cambial;
  4. Desenvolvimento da exportação direta, com utilização de drawback que permite a suspensão e isenção de impostos tanto na importação quanto na compra no mercado interno;
  5. Reorganização interna da empresa que busca melhorar seus processos logísticos, contábeis, financeiros e fiscais. A empresa é obrigada a rever seus velhos métodos de importação e passa a exigir de seus prestadores de serviço a entrega de melhores resultados por um menor comprometimento financeiro.

Sempre nos perguntam se é viável importar com o dólar alto. A resposta para essa pergunta está na afirmação:

 

Dicas para aproveitar o aumento do dólar

Algumas dicas importantes para tirar o melhor proveito do aumento do dólar:

  • Identifique em sua curva ABC, quais são os itens importados indiretamente e que estão sofrendo repasse de aumento de custos, nesse sentido poderiam ser importados diretamente;
  • Busque novas opções logísticas, tributárias e fiscais para suas importações. Envolva profissionais e empresa especializadas que possam te ajudar nesse processo. Apenas certifique-se que seja um bom investimento em termos de custo e benefício;
  • Planeje as compras internacionais, principalmente com relação às quantidades e custos envolvidos em uma importação. Saiba identificar os custos fixos, que não variam com o valor das mercadorias, e os minimize ao máximo. Renegocie taxas e assuma etapas da cadeia logística que estejam terceirizadas como, por exemplo, contratação de frete internacional e tabela de armazenagem no Brasil;
  • Mapeie seus concorrentes e entenda se os mesmos deixaram de importar, deixando assim brechas no mercado. Pode ser até mesmo que fornecedores tradicionais, que antes tinham contratos de exclusividade, estejam abertos a novas parcerias.

O mais importante de tudo é pensar de forma diferente para que os resultados alcançados possam ser diferentes. Esteja aberto a novas formas de importação e a novas ideias. Isso poderá fazer toda diferença para a sua empresa.

 

A matemática é simples.

 

As contas mais altas de importação que são os valores pagos para o fornecedor, impostos e frete internacional (apesar do frete rodoviário, que é orçado em reais, ser muitas vezes mais caro que o internacional) são baseados em moeda estrangeira como dólar, euro e libra.

Sendo assim, uma dívida de US$100 mil dólares, alguns meses atrás, o dólar valendo 3,30, era paga com mais ou menos R$ 330 mil. Enquanto nos últimos dias, com dólar valendo R$ 3,70, a mesma dívida de US$ 100 mil será paga com, ao menos, R$ 370 mil.

Nem sempre o repasse de custos é possível, nesse sentido a indústria importadora é obrigada a absorver os custos adicionais de importação. Por consequência, isso reduzirá a margem de lucro líquido de suas operações.

 

Benefícios da importação direta

Reagem melhor nesse cenário as empresas que já importam e de forma direta. A importação direta é aquela realizada diretamente pelo Radar da empresa/indústria, sem intermediários como, por exemplo, trading companies. Isso ocorre, pois além de maior controle na operação, o importador tem em suas mãos as seguintes opções:

  • Renegociação dos valores FOB (mercadoria) com o(s) fornecedor(es) atual(is);
  • Busca de novos fornecedores que queiram entrar no mercado brasileiro;
  • Busca de novos fornecedores que deixaram de exportar para o Brasil com o dólar mais alto;
  • Planejamento de suas importações reduzindo custos logísticos e diluindo custos fixos na importação (custos que não variam com o valor da mercadoria – Exemplos: despachante, frete internacional, taxas entre outros);
  • Consolidação de carga, unindo produtos de fornecedores diferentes;
  • Utilização de Regimes Aduaneiros Especiaiscomo, por exemplo, Entreposto Aduaneiro que permitirá que o importador aguarde um momento mais propício do dólar para realizar o desembaraço aduaneiro.

 

Quanto mais caro o dólar, melhor para importar diretamente

A questão toda está baseada no ângulo que iremos utilizar para enxergar esse cenário de alta de dólar. Pela lógica, o aumento do dólar é para a maioria um cenário negativo que traz apenas o aumento de custos e muito possivelmente a parada nas importações. Esquecem que se deixarem de importar diretamente, provavelmente terão outros problemas que a importação indireta traz podem surgir, como, por exemplo:

  1. Aumento dos prazos de entrega;
  2. Falta de padronização dos produtos;
  3. E, o repasse futuro do aumento do dólar (se não voltar aos patamares anteriores).

Por outro lado, há empresas, com visão mais estratégica e de longo prazo, que vislumbram nesses momentos de oscilação de moeda estrangeira, grandes oportunidades.

A pergunta principal é: quando a moeda estabilizar como você vai querer que sua empresa esteja posicionada? Em uma condição melhor ou pior?

É necessário questionar-se, indagar, buscar e quebrar paradigmas, para descobrir as oportunidades escondidas por trás das oscilações cambiais.

.

Quer saber mais sobre importação e exportação ou de que forma podemos te ajudar? Entre em contato conosco.

.

Os comentários estão encerrados.